fbpx

Um mapa para gerir a ansiedade sendo Altamente Sensível

Um mapa para gerir a ansiedade sendo Altamente Sensível

A ansiedade pode ser um desafio diário para uma Pessoa Altamente Sensível. Este estado é frequentemente caracterizado por preocupação excessiva, medo por antecipação, apreensão, nervosismo, inquietação, e pensamentos ruminantes.

De facto, sabias que a ansiedade pode manifestar-se de diferentes formas como tensão e dores no corpo, falta de concentração, fadiga e irritabilidade, insónias e pesadelos, problemas digestivos, baixa das defesas e maior risco de infeções, palpitações e até estados de terror? Ou seja, afeta não só a mente mas também o corpo.

Adicionalmente, já sabemos que o sistema nervoso altamente sensível absorve constante e involuntariamente os estímulos externos (sensoriais, sociais, ambientais) e internos (pensamentos, emoções, dores) de forma profunda e intensa. O que pode levar facilmente a uma hiperestimulação do sistema nervoso e estados de ansiedade ou esgotamento.

Finalmente, segundo os estudos da Dra Elaine Aron, as crianças altamente sensíveis que tiveram uma infância difícil ou adversa, correm maior risco de sofrer de ansiedade ou depressão em idade adulta.

Se não sabes qual a tua pontuação no Teste de Alta Sensibilidade, clica no botão abaixo ou partilha com alguém o teste:

Então, tendo em conta todos estes fatores, como dar a melhor resposta quando nos vemos perante situações que podem levar a estados de ansiedade?

Abaixo partilho contigo 3 aspetos importantes sobre este tema. Ao trazê-los à consciência estás a tomar o primeiro passo para os superar. Vamos lá!

  1. ENTENDER AS EMOÇÕES


    Quanto tempo pensas que uma emoção dura a nível do teu cérebro? Faz uma estimativa antes de ler as próximas linhas.

    Acredites ou não, a neurociência indica que o tempo que uma emoção vive no nosso sistema (cérebro e corpo) são… 90 segundos! É isso mesmo. Ou seja, toda a resposta fisiológica (como a descarga de adrenalina, o aumento o ritmo cardíaco, o aperto nó na garganta, no peito ou na barriga) atingem o seu pico e dissipam em um minuto e meio.

    Então perguntas-te: mas como é possível que certas pessoas fiquem presas a uma emoção durante horas, dias, anos ou até décadas?!

    E a resposta é: o modo como reagimos (em vez de agir) a essas emoções, as histórias que nos contamos em relação ao que está acontecer, o transe do loop mental, isso é o que não só nos prende a uma emoção como a faz escalar. Leva-nos do medo (resposta natural perante o perigo) à ansiedade (medo por antecipação, resposta exagerada por uma hipotética ameaça).

    Trazer isto à consciência já pode ser um salto quântico para ti no modo como te relacionas com a tua vida emocional. O que nos leva ao ponto seguinte.

  2. O MINDFULNESS


    A resposta que damos a uma emoção é o que vai determinar se ela continua a viver em nós ou se simplesmente se vai dissolver. Se nos libertamos ou se vivemos em ansiedade.


    A habilidade de nos relacionarmos com as nossas emoções e sentimentos em atenção plena e com autocompaixão, permite gerir esses estados emocionais intensos. É o que nos permite agir em vez de ficarmos na reação. É essa resposta que nos resgata do loop mental que leva à ansiedade.

    Se a nossa intenção profunda é relacionarmo-nos com compaixão com a parte de nós que tem medo, este liberta-se.

    Recorda também que como Pessoa Altamente Sensível é importante entenderes o que te causa ansiedade, de modo a sempre que possível, evitares esses gatilhos no teu dia a dia.

    Vamos então para o ponto seguinte.

  3. COMO DESENVOLVER A AUTOCOMPAIXÃO


    Se a atenção plena e a autocompaixão é a resposta adequada a uma emoção intensa de modo que esta flua através de nós em vez de ficarmos presos a ela, então como a praticar?

    E a resposta está neste blog num artigo que escrevi para ti a guiar-te passo-a-passo como o fazer: A Meditação que todas as Pessoas Altamente Sensíveis devem conhecer

    Aí vais aprender a poderosa prática do RAIN: Reconhecer, Aceitar, Investigar e Nutrir esta parte de ti, que tanta atenção necessita. Pessoalmente não exagero quando digo que este exercício de mindfulness me resgatou da escuridão em que me vi imersa numa época muito difícil da minha vida. Por isso quis partilhá-la contigo.

    A ansiedade é uma expressão do teu Ser a pedir ajuda. Se lhe deres atenção em vez de a queres rejeitar, suprimir ou anular (o que raramente resulta), vais ver o mundo a mudar dentro e fora de ti.

    Também há que relembrar que um estilo de vida saudável é essencial ao equilíbrio do sistema nervoso (dieta alimentar equilibrada, exercício físico regular, sono reparador técnicas de relaxamentos, …). E que, como primeira abordagem, existem remédios naturais que nos podem ajudar. Como, por exemplo, plantas relaxantes ou adaptógenas, florais de Bach, banhos relaxantes, óleos essenciais, remédios dilluídos (homeopatia, sais de Schüssler, oligoterapia, …), entre outros. As PAS reagem melhor à abordagem natural.

    E se precisares de ajuda nesta jornada, estou aqui para te apoiar. Não estás sozinho!

Entre o estímulo e a resposta existe um espaço. Nesse espaço está o poder de escolher a nossa resposta. Nessa resposta está o nosso crescimento e liberdade.

Viktor E. Frankl

E tu, identificas-te com o desafio da ansiedade? Tens alguma prática que te ajude nessas situações? Partilha na secção de comentários a tua experiência.

a

Sofia Loureiro | BSc • MNat • PhD

Terapeuta Natural & Mentora de Pessoas Altamente Sensíveis • Autora • Palestrante

Especializada em Pessoas Altamente Sensíveis • HSP Certified Nickerson Institute • Terapeuta da Dra Elaine Aron List

o

Partilha com o Mundo:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.